Como o hidrogênio funciona

O maior erro de concepção sobre o Hidrogênio é que estamos criando combustível a partir da água. Isso é inteiramente incorreto e, se fosse verdade, iria violar diversas leis da física.

NÃO é possível gerar Hidrogênio em uma taxa rápida o bastante para utilizá-lo como combustível primário.

Carros movidos a Hidrogênio realmente existem. Eles foram desenhados para utilizar o Hidrogênio como combustível primário. O Hidrogênio é criado anteriormente. Assim como qualquer carro comum necessita de um tanque de gasolina, o Hidrogênio é armazenado dentro de cilindros no veículo.

Nosso equipamento é uma renovação de baixo custo, compatível com veículos de qualquer tipo ou tamanho.

O Hidrogênio auxilia o processo de combustão do combustível existente. Ainda que você consiga uma economia de combustível considerável, você ainda terá que utilizar o combustível primário.

Geradores de Hidrogênio usam eletricidade da bateria do veículo para dividir a água (H2O) em seus elementos básicos: hidrogênio e oxigênio. O gás resultante desse processo de eletrólise é chamado gás HHO ou Hidrogênio. O gás Hidrogênio que foi gerado é, posteriormente, injetado na corrente de ar do veículo, para aumentar a eficiência na combustão e a economia de combustível.

Em um motor padrão, o ciclo de combustão é bem rápido: 0,007 segundos. A maior parte das moléculas de combustível são muito grandes para queimar completamente em um tempo extremamente limitado. Essa situação fica ainda pior com o fato de que a vela de ignição só queima uma pequena porcentagem do combustível. O fogo gerado por ela deve passar de uma molécula de combustível para outra, à medida que se propaga pela câmara de combustão do motor. Esse processo desperdiça um tempo precioso.

O Hidrogênio queima e viaja pela câmara de combustão 10 vezes mais rápido que uma chama de gasolina.

O Hidrogênio preenche o espaço entre moléculas de combustível e tem o efeito de manter elas mais próximas umas das outras. A chama viaja mais rápido e o combustível fica exposto às chamas mais cedo, e por um período de tempo mais longo. O resultado é uma queima de combustível mais limpa e mais completa.

Você pode pensar no Hidrogênio como uma grande vela de ignição no seu motor, queimando todo o combustível ao invés de deixar boa parte dele sem combustão.

A ciência por detrás da injeção de HHO está bem documentada e percebida. Sabe-se há mais de 30 anos que a adição de hidrogênio aos combustíveis fósseis, queimados em motores de combustão interna, aumenta a eficácia do motor.

Este conceito foi validado por vários estudos publicados pela Sociedade de Engenheiros Automotivos (Society of Automotive Engineers – SAE). O conceito é válido para qualquer combustível fóssil, incluindo diesel e GLP.

 

Importância do número de placas

A configuração das placas é um dos aspetos mais importantes, mas também dos menos compreendidos, do design de uma célula seca. A eficácia de uma célula seca aumenta com o número de placas, até um máximo de sete. Esta configuração de sete placas tem uma “positiva”, uma “negativa” e cinco placas flutuantes “neutras”, que formam um total de seis câmaras de reações eletrolíticas.

Para simplificar, cada câmara eletrolítica requer 2 V. Por isso um veículo de 12 V está limitado a sete placas. 13, 18, etc., placas de células secas são simplesmente células com 6 câmaras ligadas entre si de maneira a que formem uma unidade. Cada célula individual funciona também a 12 V.

Ter cinco placas neutras e uma placa com uma superfície grande é o que constituí uma célula boa e eficaz.

A célula de sete placas produz 50% mais HHO que a versão de 25 placas. Além do mais, o formato de cubo do modelo de 25 placas aquece mais e por isso é mais provável que aqueça excessivamente.

 

Quantidade de hidrogênio necessária

A quantidade de hidrogênio necessária é determinada pelo tamanho do motor.
0.15 litros/minuto para cada 1L de tamanho do motor é o ideal.
Por exemplo, um motor de 3L atingirá os melhores resultados com um gerador produzindo hidrogênio a uma taxa de 0.5 L/minuto.

Os sistemas de hidrogênio estão sujeitos às leis da diminuição de retorno. Adicionar HHO ao motor melhora a eficácia, mas apenas até certo ponto.

Testes provam que encher o motor com Hidrogênio demais DIMINUI sua eficiência e desempenho.

Amount of hydrogen required per size of engine

Consumo de eletricidade

7 a 10 A produzem HHO suficiente para o motor médio de um veículo (3 L). Este consumo de corrente é semelhante ao que se gasta quando você liga o rádio do seu carro.

A fórmula aproximada é: Amperes = Tamanho do Motor (em Litros) x 2.5

consumption of electricity by hydrogen hho generators

 
 

Células secas vs células úmidas

A diferença entre o design das células secas e úmidas é que um gerador de hidrogênio de célula seca contém apenas uma quantidade mínima de água no gerador. A maioria da água do sistema é armazenada num reservatório separado.

Em geral as células secas são mais eficazes que as células úmidas porque praticamente nenhuma corrente elétrica é desperdiçada no processo de eletrólise (que utiliza eletricidade para dividir a água em Hidrogênio e Oxigênio).